sexta-feira, 29 de maio de 2015

Vou dançar com o meu sonho...


Hoje, vou dançar com o meu sonho. Saltei o muro da realidade fingida e agarrei as imagens ainda vibrantes de um filme do qual fui a protagonista por benevolência, talvez, doutros desígnios mais poderosos que me movimentam o coração.

O sonho decorria fora do meu controlo; não o pensei, não o escrevi, não li o argumento, ninguém me pediu opinião.

Limitei-me a encostar a cabeça na almofada (macia), aninhar-me nos lençóis - como me preparasse para nascer– e entrar na esfera dos adormecidos. Nada mais do que isto.

Mas, já não se dorme como antigamente! As noites agora são povoadas de montanhas russas que cortam alturas, espaços, velocidades numa vertigem que nos baralha e emotiva emoções.

E o que deveria ser o tempo de abandono suave e envolvente, num ápice passa (pode) a uma tal e trepidante movimentação que eu, nem nunca nos meus melhores dias, pensei imaginar.

(By Maria Elvira Bento - Blog Brumas de Sintra)

terça-feira, 5 de maio de 2015

Amei...



Amei mais do que pensei que um dia iria amar, 
Amei menos do que muitas vezes pensava que amava. 
Mas amei. Intensamente. Perdidamente. Profundamente. Sedutoramente. 
Como só os apaixonados o sabem fazer. 
Amei em luz, em momentos breves, em pura tranquilidade e inarráveis desassossegos. 
Amei em silêncios e em júbilo. 
Amei e flutuei em tempo apaixonante, em tempo de música espalhada pelos nevoeiros, pelos ecos do vento, pela hostilidade dos mares, pelo adormecimento dos mesmos quando, como bilros rendilhados e adormecidos, ficam na praia a beijar areias, pedras, conchas e pés. 
Amei mais do que pensei que um dia amaria. 
Amei na saudade. Na distância, no desespero, nos desvarios dos reencontros. 
Amei quando foste o meu Sol e o riso da minha Vida. 
(Autora: Maria Elvira Bento)