segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Verdades, sentimentos e Ideias...



Não interrogo muito a verdade que cada escritor ou pensador expressa como tal. 
Nenhuma dessas "verdades" nos podem ou devem alimentar ou socorrer.  
O que importará  é que cada  homem construa  a  sua verdade, como imperativo do seu ser,
 como "instrumento" da sua unidade espiritual.


Sentimentos não se constituem, nem pela memória. 
Uma vez vividos são passados.
E só o sentir é em nós absoluto.
 O sentimento não se pode discutir, porque nada adianta 
para a nossa realidade existencial.

 Podem condenar-se eticamente certos sentimentos, ou expressões do nosso sentimento.  
Mas, o sentimento em si  é  uma  realidade inapagável e indiscutível.

Já não são assim as idéias, 
porque todas se podem discutir, pois nunca se é detentor da verdade, absoluta e irrefragável.  
Lógica e dialeticamente podem defender-se os mais evidentes absurdos.

Os sentimentos têm a sua lógica  interior, de associação e desenvolvimento, mas a nossa lógica mental é inoperante
 perante esse fluir inconsciente e espontâneo da nossa vida afetiva.

[A. de Gusmão]


Nenhum comentário: