sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

O amor na terceira idade


Diz-se que o amor não tem idade, que não há outra razão para amar senão amar. No entanto, somos muitas vezes prisioneiros da idéia de que há idade certa para tudo. Se o tempo tem as suas regras e determina se somos crianças, adolescentes ou idosos, não é tão certo ao traçar o momento para amar.
O mundo desenha-se sob as mais diversas formas de amar e nós mortais, insistimos em negá-las como se tivéssemos medo de um fim anunciado. Gosto de pensar no amor na terceira idade como um renascer, um despertar de sentimentos, sensações, prazeres.
Ele com os seus 82 anos de idade e ela, bem mais nova é de realçar, com 73. A “diferença de idades” nunca foi um problema, embora tivesse sido o tema do primeiro encontro. Ultrapassadas as diferenças, namoraram secretamente durante 2 meses. As “escapadelas” aconteciam no Centro de Dia, pela altura do chá da tarde.
Perdiam-se no tempo e nas memórias que partilhavam um com o outro. Ambos viúvos, falavam dos “velhos” amores, dos filhos e netos que passaram a ser o centro das suas vidas. Ela dizia que “num determinado momento da vida deixamos de pensar em nós, como se já tivessemos vivido tudo a que tínhamos direito e sentimo-nos na obrigação de dar lugar aos mais novos”.
Dar lugar à vida, aos seus prazeres, ao amor. Nada podia ser menos verdadeiro! A idade levar-nos-á a atingir um grau de auto-controlo, de segurança, de discernimento e de tranquilidade que nos permitirá amar sem reservas. Porque nos parecerá estranho que dois idosos, presos à solidão dos seus momentos, não possam voltar a amar?
A interpretação deste amor é feita à luz de uma vida inteira de ilusões e desilusões, de momentos de incerteza e outros tantos de certeza, de horas de desânimo e segundos de convicção. Amar então pode revelar-se, nesta fase da vida, um equilíbrio necessário para o bem-estar emocional que espelha uma tão desejada qualidade de vida.
Eles... enfrentaram o preconceito dos filhos que ridicularizaram um “amor adolescente fora de tempo” e provaram que o amor é um pacto de cumplicidade a dois, podendo ser celebrado até por um simples tocar de mãos. Eles...vêem crescer os netos e reconhecem as cem marcas de amor que viveram no passado.
Eles... deixaram de se sentir sós e construíram um dia diferente daquele em que se espera, sem saber o quê nem por quanto tempo.
Eles...são imagem do amor na terceira idade ou numa idade qualquer!

__________________________________________

Autora: Dr.ª Vera Moutinho
 Fonte: http://www.dodouro.com/notícia

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Caminhando da sombra para a luz...

Aprender a viver feliz: é esse certamente o estudo mais importante, aquele a que devemos consagrar o melhor dos nossos esforços. O pensamento cria – seja essa a nossa primeira lição a aprender e a praticar – tanto o bem quanto o mal. É o que procuraremos demonstrar no decurso das nossas postagens. Nossa vida será o que forem nossos pensamentos. E progrediremos no caminho da felicidade na medida em que nosso pensamento for criador de maior bem.
E para tanto, contamos com o auxílio do nosso Guia interior, do Espírito que nos habita, e a que muitos dão o nome de intuição, mas que é o mesmo de quem São Paulo diz: “Vós sois os templos vivos do Espírito Santo. Será ele o único que poderá secretamente guiar nossa caminhada da sombra para a luz”.
Então, o que é progredir no caminho da felicidade? É diminuir o lapso de tempo necessário para substituir o pensamento e a palavra negativos, criadores de mal e de dor, pelo pensamento e a palavra positivos, criadores de alegria e de bem.
E teremos atingido nossa felicidade quando o pensamento positivo se apresentar espontaneamente ao nosso espírito. A prática é importante. Não deverá nem se inquietar, nem desanimar, quando não conseguir imediatamente o que deseja. Um pensamento negativo, logo repelido, não pode prejudicar a ninguém. Importa apenas aquele pensamento positivo que você conservar.

EXERCÍCIO: quando algum pensamento negativo de desânimo, de angústia, um “Não tenho sorte”, ou “nunca conseguirei sair desta...”, etc., lhe atravessar a mente, apague-o. Poderá mesmo fazer mentalmente o gesto de apagar uma frase do quadro-negro, ou de deletá-la do seu arquivo mental. E, em pensamento, escreva bem claramente o pensamento positivo. E conserve-o. Persuada-se de uma vez por todas de que, se você perseverar, dia virá em que o pensamento positivo se apresentará sozinho: a felicidade para você se terá tornado, então, um hábito.
(Fonte: Marcelle Auclair. La pratique du bonheur. Seuil. sd)

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

A tirania da beleza e da eterna juventude...


Vivemos em uma sociedade que valoriza imensamente a juventude e a beleza, diminuindo o valor da falta delas, ou seja , desvalorizando a velhice. 
Numa sociedade altamente consumista como a atual , a juventude deve ser perpetuada a qualquer custo, lançando-se mão para isso de tudo o que possa existir no mercado do rejuvenescimento, sem regras, que prometa a eterna juventude.
É verdade que no mundo da fantasia tudo e todos podem ser como se queira que sejam. Assim, geralmente não se espera que tal promessa de eterna beleza seja mesmo verdadeira, mas que simplesmente leve a pessoa ao mundo da fantasia e do faz de conta, que pode dar credibilidade até mesmo ao mais desconfiado dos seres vivos que vivam preocupados com a questão do envelhecimento.
Há bem menos de cinqüenta anos atrás, uma jovem tinha como meta de beleza conseguir manter-se bela e desejável pelo menos até a chegada do primeiro filho. Diga-se ainda que isto era mesmo o máximo de sonho que ela poderia Ter quanto à sua questão estética. Tampouco era esperado mais que isso para ela, salvo raras exceções em que fosse financeiramente estável e pudesse contar com a ajuda de pessoas que a ajudassem na trabalhosa dedicação ao “ser bela”.
Hoje, uma garota de quinze anos já sabe muito bem qual o “defeito”, “problema”, “falta”, excesso” ou outras coisas mais, que quer corrigir em seu corpo ainda de menina, que já se acha mulher. Em plena idade de despedir-se de suas bonecas de vez, a menina-moça, como era chamada há muito tempo, tem que se preocupar em agradar ao mundo da beleza obrigatória e corresponder ao bendito padrão de beleza, todos tão essenciais para se ser feliz nos dias atuais. É exatamente esse o pensamento vigente na maioria das cabeças das tantas adolescentes existentes neste nosso mundo de hoje.
No lugar de fadas e histórias de amor, ela carrega como sonho Ter um bom personal trainner, um bom dermatologista, um bom cabeleireiro, uma boa grife para vestir e um bom cirurgião plástico. É evidente que se uma garota tem orelhas de abano que a impedem até mesmo de usar um gracioso “rabo de cavalo” nos cabelos, fazer uma cirurgia corretiva pode até mesmo fazer-lhe muito bem. Não estou referindo-me ao problema real, mas sim ao problema que existe apenas na ótica da própria pessoa.
Realmente a busca pela eterna beleza é coisa que vem de muito longe na história da humanidade, porém, nunca se deu tanta atenção a isto como nos dias de hoje. Parece até mesmo descabida a preocupação para com a aparência, como se ser belo e jovem fizessem realmente toda a diferença na vida das pessoas. Esquecem-se elas, no entanto, que se a beleza hoje em dia é fundamental, outros tantos fatores também são extremamente importantes para que uma pessoa se dê bem na vida. Isto é, há outros fatores que fazem toda a diferença na vida de uma pessoa, seja ela jovem ou não.
Mas , nossa sociedade tão necessitada de um consumo desenfreado, tenta embutir nas pessoas a idéia de que para ser feliz é preciso fazer... fazer academia, fazer tratamentos mil, fazer plástica reparadora. Que para ser feliz é preciso ser sempre jovem, corrigindo, de tempos em tempos, as linhas que esse mesmo tempo insiste em acentuar. Por isso talvez é que a indústria da beleza e da cosmetologia seja sempre a que mais se desenvolve a nível mundial.
Quem quer na verdade ver partir um rosto de aparência juvenil? Quem em sã consciência deseja deixar de ser jovem, dinâmico e belo? Claro que ninguém. Porém é urgente que se devolva às jovens e às mulheres em geral o senso principal da feminilidade, a questão da liberdade feminina de optar-se por ser como se quiser ser. É necessário fazer com que uma jovem saiba que sua missão como mulher vai muito além do simples prazer que possa proporcionar com seu belo visual. É preciso fazê-la ver que sendo o verdadeiro foco do concorrido mercado da beleza, tornou-se submissa a ele pela própria característica que ele tem.
Ao vender sonhos de beleza eterna, a indústria da beleza vende a idéia de que para ser feliz é necessário ser bela para sempre, e só. Como se o saber e o fazer fossem componentes sem nenhum valor na personalidade de uma jovem.E embora o sábio mercado publicitário agregue à idéia da beleza o conceito da saúde e inteligência, fica implícita a mensagem de que para uma mulher Ter sucesso na vida ela tem que ser bela e eternamente jovem. 

Fica aqui a pergunta: para que servirão as lições aprendidas em tantas lutas sociais que tiveram como bandeira a emancipação feminina? Será que ficaram perdidas num pote de um caro creme rejuvenescedor? Será que acabaram dentro de um mero tubo de tinta que servem apenas para esconder os cabelos brancos tão reveladores da falta de juventude? Será que ficaram calcadas nas finas linhas do tempo que insistem em vincar uma pele antes jovem e macia? Diga você, mulher, jovem ou não, para que serviram afinal tantas batalhas travadas pelas nossas avós?

domingo, 13 de novembro de 2016

Quero a liberdade de envelhecer feliz


Deixem-me envelhecer sem compromissos e cobranças,
Sem a obrigação de parecer jovem e ser bonita para alguém,
Quero ao meu lado quem me entenda e me ame como eu sou,
Um amor para dividirmos tropeços desta nossa última jornada,
Quero envelhecer com dignidade, com sabedoria e esperança,
Amar minha vida, agradecer pelos dias que ainda me restam,
Eu não quero perder meu tempo precioso com aventuras,
Paixões perniciosas que nada acrescentam e nada valem.
Deixem-me envelhecer com sanidade e discernimento,
Com a certeza que cumpri meus deveres e minha missão,
Quero aproveitar essa paz merecida para descansar e refletir,
Ter amigos para compartilharmos experiências, conhecimentos,
Quero envelhecer sem temer as rugas e meus cabelos brancos,
Sem frustrações, terminar a etapa final desta minha existência,
Não quero me deixar levar por aparências e vaidades bobas,
Nem me envolver com relações que vão me fazer infeliz.
Deixem-me envelhecer, aceitar a velhice com suas mazelas,
Ter a certeza que minha luta não foi em vão: teve um sentido,
Quero envelhecer sem temer a morte e ter medo da despedida,
Acreditar que a velhice é o retorno de uma viagem, não é o fim,
Não quero ser um exemplo, quero dar um sentido ao meu viver,
Ter serenidade, um sono tranquilo e andar de cabeça erguida,
Fazer somente o que eu gosto, com a sensação de liberdade,
Quero saber envelhecer, ser uma velha consciente e feliz!!!


Silvana Freygang

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Vai desistir?


Tem certeza disso, então dê uma olhadinha...
A única diferença entre você e esses é que acreditaram em si mesmos. Vai desistir? Pense bem! 
O General Douglas MacArthur foi recusado na Academia Militar de West Point, não uma vez, mas duas. Quando tentou pela terceira vez, foi aceito e marchou para os livros de história. 
O superstar do basquete, Michael Jordan, foi cortado do time de basquete da escola. 
Winston Churchill repetiu a sexta série. Veio a ser primeiro ministro da Inglaterra somente aos 62 anos de idade, depois de uma vida de perdas e recomeços. 
Sua maior contribuição aconteceu quando já era um "cidadão idoso". 
Albert Einstein não sabia falar até os 4 anos de idade e só aprendeu a ler aos 7. 
Sua professora o qualificou como "mentalmente lerdo, não-sociável e sempre perdido em devaneios tolos". 
Foi expulso da escola e não foi admitido na Escola Politécnica de Zurique. 
Em 1944, Emmeline Snively, diretora da agência de modelos Blue Book Modeling, disse à candidata Norman Jean Baker (Marilyn Monroe): "É melhor você fazer um curso de secretariado, ou arrumar um marido". 
Ao recusar um grupo de rock inglês chamado The Beatles, um executivo da Decca Recording Company disse: "Não gostamos do som. Esses grupos de guitarra já eram". 
Quando Alexander Graham Bell inventou o telefone, em 1876, não tocou o coração de financiadores com o aparelho. O Presidente Rutheford Hayes disse: "É uma invenção extraordinária, mas quem vai querer usar isso?" 
Thomas Edison fez duas mil experiências para conseguir inventar a lâmpada. Um jovem repórter perguntou o que ele achava de tantos fracassos. Edison respondeu: "Não fracassei nenhuma vez. Inventei a lâmpada. Acontece que foi um processo de 2.000 passos". 
Aos 46 anos, após anos de perda progressiva da audição, o compositor alemão Ludwig van Beethoven ficou completamente surdo. No entanto, compôs boa parte de sua obra, incluindo três sinfonias, em seus últimos anos. 
Por isso não devemos achar nunca que NOSSO TEMPO acabou. Enquanto estivermos aqui, há algo para aprendermos e, muito possivelmente, alguém para aprender conosco também. 

Não devemos nos estagnar na vida por medo.